A menina e as embalagens

Assunta Napolitano Camilo

A infância é a mais incrível viagem que podemos fazer em nossa memória. A minha melhor lembrança faz parte de quem sou hoje. Mergulhei em mim lembrando quando tinha cinco anos e morava em uma chácara. Me vi fazendo uma grande descoberta: a lata de leite. Foi um encantamento mágico desvendar uma nova forma conveniente de levar leite para as pessoas, sem ter uma vaca, e fez os meus olhos brilharem para trabalhar com embalagens.

Minha mãe percebeu o meu deslumbramento com a nova descoberta e me colocou para estudar português, matemática, geografia, ciências etc. Afinal todos estes assuntos eram importantes para aprender sobre as embalagens que nutriram meus potenciais para seguir me dedicando aos estudos, montagem de protótipos, pesquisas, bem como trabalhando, aprendendo e compartilhando minhas descobertas com meus pares.

Desde a infância, estudei em escolas públicas até a universidade. Me formei em engenharia mecânica de projetos na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). Depois fiz curso de especialização em administração industrial na Fundação Carlos Alberto Vanzolini e especialização em marketing na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e na Business School.

Estudei sete idiomas (português, inglês, francês, alemão, espanhol, italiano, japonês) e iniciei um curso de mandarim, pois acredito que aprender línguas abre janelas na vida, aproxima as pessoas e permite entender melhor a vida e a cultura de outros povos.

Comecei a trabalhar na indústria de embalagens em 1982, iniciando com estágio na antiga Rhodia, depois passei pela Cyklop, Toga (atual AMCOR), Tetra Pak e Ripasa. Minha atuação na área foi além das fronteiras do Brasil, visitei as principais feiras internacionais de embalagens e assuntos relacionados: Interpack, K, Emballage, Chinaplas, Canton Fair, ISM, Envase, Tokyo Pack, SIAL, Ambalaj, Tecnoalimentaria, Anuga, Drupa, Pack Expo, Envase, Andina, Drinktec etc.

Decidi empreender fundando uma consultoria em negócios de embalagens, a FUTUREPACK. Atuando como consultora de várias empresas notei a demanda do mercado brasileiro por conhecimento sobre embalagens, por isso, em 2005, criei o Instituto de Embalagens.

Para ensinar precisava de livros, assim, criei o Kit de Referências de Embalagens e, em seguida, 22 livros sobre embalagens, além de cartilhas para educação ambiental de crianças. Também sou autora de mais de 600 artigos e ministrei aulas e palestras sobre embalagens, tendências, inovações e sustentabilidade para mais de 18 mil profissionais, no Brasil, Alemanha, África do Sul, Austrália, Colômbia, Paraguai, Polônia, Holanda, Portugal, Índia, entre outros.

A paixão pelas embalagens move a minha jornada de conhecimento. Visitei mais de 80 países sempre buscando entender mais sobre pessoas e suas culturas, e as embalagens foi o caminho para isso.

Conquistei vários prêmios nacionais e internacionais, como o de Profissional do Ano 2011 e Melhor Embalagem do Ano em 2013 pela revista Embanews. Além do WPO Awards da World Packaging Organisation (WPO) em 2014 e 2016.

Casei com meu primeiro namorado, companheiro de vida, com quem tive Leonardo e Rafaella, presentes especiais de Deus, que foram e são fundamentais no sucesso da minha história. Ao longo de 40 anos atuando como “embalageira” me orgulho de ter construído inúmeras conexões e muitos amigos, o legado mais precioso desta jornada.

O melhor de tudo é que continuo carregando o espírito da criança curiosa, sempre querendo aprender mais e apaixonada por embalagens.

Atualmente sou diretora do Instituto de Embalagens e da Consultoria FuturePack.

EMBALAGENS MUNDO AFORA

A história da embalagem no mundo e do design na criação e desenvolvimento deste item traduz a evolução da humanidade e o crescimento dos países. De mero invólucro, a embalagem evoluiu em design e conceito e assumiu a expressão de várias culturas. Designers de todos os continentes – África, Europa, Ásia, América e Oceania – agregam seus costumes, hábitos de consumo e tradições às características primordiais de proteção das embalagens, fazendo delas objetos únicos em aplicação e design.

Os diferentes pontos de vendas, como supermercados, lojas de conveniência, drugstores, lojas de moda e outros, são importantes territórios para descoberta da cultura de um povo e suas tendências sob a perspectiva da embalagem. Além de permitirem explorar os hábitos de alimentação e preferência de sabores

A embalagem como instrumento de valorização da cultura e tradição de um povo

Primeiro volume da nova coleção bilíngue Embalagens Mundo Afora – Packaging Around the World, escrito por Assunta Napolitano Camilo, diretora da FuturePack:

Clique aqui

Compartilhe:

Para mais informações, entre em contato conosco!
Este site é protegido pelo reCAPTCHA e pelas Políticas de Privacidade e Termos de Serviço do Google.