MetPack e InterPack

Principais eventos da indústria de embalagens, que ocorrem a cada três anos na Alemanha, as feiras MetPack e InterPack encerraram a edição 2014, no mês de maio, com uma marca recorde em vários aspectos. Na InterPack, foram mais de 175 mil visitantes, sendo 66% estrangeiros, vindos de mais de 120 países. A área da feira também foi ampliada e estruturada com 19 pavilhões, ocupados por mais de 2.700 expositores. Já a MetPack contou com 243 expositores de 27 países, trazendo palestras sobre as novidades da indústria de máquinas para a produção de embalagens metálicas e a premiação para esse segmento.

Em conjunto, as feiras apresentaram inúmeras novidades, incluindo a impressão em garrafas e bisnagas em tempo real. A sofisticação nas decorações e nos acessórios foi uma tônica dos eventos.

Na ocasião, a World Packaging Organisation (WPO), entregou os prêmios das melhores embalagens mundiais, e o Brasil esteve entre os contemplados. A FuturePack, que conquistou o troféu de Melhor Embalagem do Ano em 2013, recebeu o prêmio pelo projeto da champanheira de papel cartão desenvolvido para a Salton. Também foi divulgado o President’s Award, entregue à empresa japonesa que desenvolveu a Gentlelock®, uma geração de tampas-rosca contra vazamento e previne acidentes com as crianças. A tampa pode ser fechada e aberta girando um anel sempre para a mesma direção, sendo indicada para todos os tipos de produtos.

Parte integrante das feiras, o Congresso SAVE FOOD contou em sua segunda edição com mais espectadores e, de maneira bem instigadora, abriu margem para uma reflexão sobre a responsabilidade de cada cidadão na cadeia do alimento e sobre a real função da embalagem. Houve ainda uma excelente oportunidade de apresentar projetos e iniciativas relevantes para motivar as pessoas a seguirem em frente, provando que embalagem melhor promove um mundo melhor.

Envolto no clima que a InterPack cria por si só, o Instituto de Embalagens também levou uma importante novidade para os visitantes da feira: o livro Better Packaging. Better World (em inglês), que contou com o lançamento oficial no evento e foi muito bem avaliado pelo público e pela crítica presentes. As informações sobre a obra estão disponíveis no site: www.betterpackagingbetterworld.

Com MetPack

Na MetPack, as novidades ficaram concentradas nos novos formatos, tamanhos e principalmente na redução das espessuras das estruturas de metal, que atingiram a marca de 0,09 mm, ou seja, uma lata de aço que antes pesava cerca de 100 g, agora pesa em torno de 27 g. Já a lata de alumínio atinge 10 g!

O destaque sobre a impressão laminada está na sofisticação, na diferenciação e na personalização permitidas pela impressão digital. As empresas responsáveis por apresentar as novidades no mercado de impressão digital foram a INX, a Martinenghi e a Hinterkopf, cada uma com uma solução diferente.

Sobre as taxas de reciclagem das embalagens de aço, na Europa divulgaram índice de 74%, enquanto na Alemanha os números apontaram para 93%. Oxalá consigamos o mesmo logo!

Um grande destaque da feira foi a empresa alemã Mall/Herlan, importante referência em embalagens de alumínio. Foram mostradas as novas máquinas para produção de garrafas de alumínio com capacidade de produção de até três mil unidades por minuto, aumentando a competitividade dos fabricantes no negócio. A empresa também apresentou as máquinas para produção de aerossol monobloco, que podem ser fabricadas em alumínio ou aço por meio da nova tecnologia, permitindo economizar até 40% de material em comparação aos processos tradicionais. Já no segmento de bisnagas, o destaque foi uma linha especial que atinge média de 200 bisnagas por minuto a partir do slug.

SAVE FOOD

Em sua segunda edição, o Congresso mostrou nos seus dois dias a importância de se discutir e demonstrar mundialmente os pontos fortes da embalagem no processo de salvar os alimentos. Trata-se de um grupo com mais de 110 indústrias, cuja iniciativa é combater as perdas de alimentos e resíduos, tendo como parceiros a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO ) e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

No primeiro dia, foram apontadas questões temáticas com cases para orientar organizações sem fins lucrativos e o governo a se mobilizarem para a solução de problemas a partir de políticas e ações sociais. O segundo dia tratou de soluções e melhorias práticas, apresentadas por empresas privadas. O Congresso mostrou como o problema da perda de alimentos e resíduos é mundial e pode ser combatido através de toda a cadeia de valor. Foram recebidas contribuições de convidados ilustres como o ministro senegalês Youssou N’Dour, bem como representantes da FAO e do PNUMA, além de inúmeras palestras e painéis de discussão que demonstraram exemplos práticos. Durante a InterPack 2014, o espaço “Innovation Parc” apresentou soluções e ideias para combater perdas de alimentos e resíduos. O Instituto de Embalagens participou do congresso e das atividades paralelas com o almoço promovido pela iniciativa “Feeding the 5000”, tendo no cardápio uma refeição produzida a partir de legumes que seriam descartados pela indústria no entanto em condição de consumo.

InterPack

O sucesso desta edição não aconteceu por acaso. Os investimentos foram pautados com base na atenção e no cuidado dos organizadores em estruturar uma feira para atender seus visitantes, principalmente end users, que foram ao evento para encontrar soluções e produtos de expositores dispostos a mostrar suas iniciativas e projetos. No geral, a feira é bastante completa e organizada, com setores bem divididos, como a estreia do setor de componentes chamado Metal Plaza, a área dos bios, a de reciclagem, máquinas, embalagens flexíveis, embalagens de papel etc.

Os temas dominantes na InterPack 2014 foram a eficiência de recursos para máquinas e instalações, bem como para o uso de material de embalagem, qualidade e segurança, a fim de garantir produtos acabados perfeitos e à prova de falsificação, especialmente em segmentos delicados, como é o caso de alimentos, bebidas e farmacêuticos.

Quanto às inovações, pudemos conferir alguns high lights, como a impressão digital direcionada para todos os mercados para substituir a impressão de informações de forma direta em garrafas, bisnagas, latas de aerossol e em tubo plástico, com velocidades maiores e set ups que chegam a menos de dois minutos. Também encontramos novas propostas de aplicações com maior segurança e facilidade de abertura, além de adaptação para facilitar a conveniência, a leveza e a melhoria do descarte no caso de algumas embalagens.

Vamos aos destaques:

Embalagens farmacêuticas

Ao visitarmos os pontos de venda como supermercados, drugstores e farmácias, notamos o crescimento da venda direta de medicamentos e dos suplementos vitamínicos e/ou similares. Outra tendência notável diz respeito ao uso de biocomponentes nos medicamentos. A Visiogain, empresa de pesquisa do mercado britânico, confirma que as vendas anuais de biofármacos estão experimentando um crescimento de dois dígitos, além de um aumento contínuo previsto para os próximos 10 anos. Isso tem forçado as empresas farmacêuticas a se adaptarem. Algumas biomoléculas prontamente se decompõem, ao passo que outras são altamente agressivas e atacam as embalagens primárias. Dessa forma, embalagens com propriedades de barreira melhoradas e maior resistência ao impacto têm sido extremamente necessárias. Também têm sido mandatórios os processos de produção com maior capacidade de precisão e dosagem mesmo nas mais ínfimas quantidades de substâncias. Além disso, os fabricantes de produtos farmacêuticos têm de salvaguardar os seus medicamentos contra a falsificação. Sob a Nova Diretiva Antifalsificação da Europa, praticamente todos os medicamentos sujeitos à receita médica terão de ser fornecidos, a partir de 2017, com um número de código único, o que caracteriza e mostra que a embalagem externa não sofreu nenhuma adulteração. Produtos farmacêuticos falsificados estão se tornando uma ameaça constante para pacientes do mundo inteiro. Questões como a automedicação e a segurança do usuário estão se tornando cada vez mais importantes. Antigamente, havia injeções que só os médicos podiam aplicar, mas que agora podem ser autoadministradas pelos pacientes. Para evitar ferimentos, encontramos agulhas de segurança embutidas no próprio frasco e que se retraem imediatamente após a aplicação. A fabricante sueco-finlandesa Stora Enso e a Chalmers University of Technology de Göteborg, por exemplo, estão desenvolvendo uma embalagem inteligente projetada para simplificar a comunicação entre pacientes e médicos. A embalagem grava precisamente quando um comprimido é removido. Se a prescrição do médico não for observada, o paciente recebe um lembrete sem fio retransmitido para um telefone celular, por exemplo. A empresa Schott optou pelo revestimento de suas embalagens com uma camada de silício, o que impede interações de proteínas, do medicamento, com a superfície da embalagem e também a absorção dessas proteínas, e que faz com que biofármacos sensíveis preservem-se por mais tempo. As garrafas de multicamada também se mostraram alternativas aos frascos de vidro. Contra a falsificação, Agosto Faller, fabricante de embalagens para produtos farmacêuticos, desenvolveu códigos de barras com série alfanumérica e códigos de matriz de dados para as caixas dobradas e os rótulos, codificando em série os materiais de embalagem. O especialista usa a tecnologia de jato de tinta e imprime nas embalagens as informações do produto em série, permitindo assim rastrear os remédios para retornarem ao fabricante. O crescimento da demanda por soluções de identificação para os próximos anos deve ser esperado. A securPharm, organização guarda-chuva de cinco associações de distribuição de produtos medicinais, pretende estabelecer um sistema baseado em códigos de matriz de dados para elevar a proteção contra os medicamentos falsificados. A ideia é que os fabricantes dos medicamentos tenham cada embalagem como única, imprimindo-a com um código de dados único.

Impressão de embalagens
Sem dúvida, a impressão e a decoração das embalagens foram um dos aspectos mais importantes apontados como solução. Além de identificar, a impressão permite que haja a diferenciação entre as marcas e os produtos. Por isso, esta edição da InterPack reuniu as mais importantes empresas de equipamentos para impressão, como Comexi, Bobst e Durst; no entanto, o grande show ficou por conta da americana Hewlett Packard, a HP. Desde a entrada da feira até o 13º hall, havia chamadas para as intervenções artísticas, como o exemplo de um “show” que destacou a potência dos seus equipamentos. A empresa também apresentou sua nova geração de impressoras digitais séries 10000, 20000 e 30000. Os equipamentos rodaram e imprimiram durante toda a feira embalagens e rótulos em substratos flexíveis e em papel cartão. No mesmo estande também marcou presença a israelense Scodix®, com soluções de enobrecimento digital, como relevos, vernizes poliméricos, glitter, entre outros efeitos disponíveis para a indústria de embalagens. Sem dúvida, as embalagens que apresentarem melhorias nos aspectos de impressão, forem mais leves, com as maiores barreiras e produzidas com mais eficiência serão as embalagens que permanecerão no futuro, afinal: Embalagem melhor. Mundo melhor!

Compartilhe:

Para mais informações, entre em contato conosco!
Este site é protegido pelo reCAPTCHA e pelas Políticas de Privacidade e Termos de Serviço do Google.