Reduzindo impacto ambiental em máquinas e chapas para impressão

Assunta Napolitano Camilo

Também o setor de fabricação de máquinas pode ajudar na redução de impacto ambiental. Em cada operação, a BOBST assume os compromissos de sustentabilidade: suprimentos, logística, operações e funções de suporte estão comprometidos a minimizar os impactos de suas atividades, com redução de consumo de materiais, recursos naturais, energia, redução de resíduos e participar da cadeia de reciclagem. Também aborda aspectos socioeconômicos relacionados à inclusão social e igualdade de gênero, a exemplo do Brasil, onde a empresa emprega diversas mulheres em posição de liderança e na operação.

Os equipamentos BOBST são projetados desde a prancheta para minimizar os impactos da cadeia produtiva das embalagens, com real redução de refugos de produção e do consumo de matérias-primas, como papel-cartão ou filmes plásticos), possibilitar o processamento de materiais mais sustentáveis, como filmes plásticos monomateriais com propriedades de proteção equivalente aos laminados (reciclabilidade) através de parcerias com fornecedores de resinas, adesivos etc.

Os projetos sempre consideram eventuais pontos de risco e a ergonomia e facilidade de uso pelos operadores para aumentar a segurança e bem-estar. Além disso, os equipamentos são atualizáveis, o que aumenta a sua vida útil.

A principal contribuição da BOBST é permitir o processamento de embalagens e materiais mais sustentáveis, por exemplo, o investimento em tecnologia de impressora digital, que permite a conversão de baixos volumes de rótulos ou embalagens flexíveis com geração de refugo virtualmente ZERO em set-up de máquina, além de ser uma tecnologia de baixo consumo de energia, tintas base UV e base água (sem solventes).

Baseado na iniciativa da Europa de criar uma economia circular para os produtos plásticos, que constitui de várias iniciativas, entre elas a redução de uso de plástico e reciclagem, a Multivac, fabricante de máquinas de embalagens, está atuando em várias frentes nestes dois aspectos.

Para reduzir o consumo de plástico, a empresa adotou as seguintes práticas: uso de filmes mais finos, otimização dos formatos para reduzir a área de filme necessário para produzir as embalagens, soluções paper board e paper tray com laminação de filmes extremamente finos para reduzir em até 80% o consumo de plástico, lançamento de uma termoformadora que lamina em paper trays a camada de plástico para depois produzir embalagens estilo termoformado e soluções 100% de papel para embalagens de frutas e legumes.

A Multivac também está trabalhando junto a parceiros fabricantes de filmes em soluções monomateriais para viabilizar a reciclagem.

Não é de hoje que a DuPont norteia suas ações, globalmente, pela sustentabilidade ambiental, social e econômica. E uma das ações mais recentes neste sentido é a Análise de Ciclo de Vida (ACV) que compara a flexografia à rotogravura e o processo térmico de gravação de chapas Cyrel® FAST com o processo tradicional que utiliza solvente. Os resultados deste ACV mostraram que a impressão flexográfica é mais vantajosa, do ponto de vista ambiental, que a rotogravura graças a um consumo de energia não renovável 46% menor e a uma redução de 51% no potencial de aquecimento global.

O estudo mostra ainda que o processamento térmico das chapas flexográficas tem uma pegada ambiental menor que o processo à base de solventes. O sistema Cyrel® FAST tem um impacto de aquecimento global 38% menor e um consumo de recursos energia não renovável também 56% inferior aos dos sistemas digitais com solvente.

Além disso, no recém-publicado ‘Relatório de Sustentabilidade’, a DuPont descreve seus Objetivos de Sustentabilidade 2030 alinhados aos ODSs da ONU. Entre eles, o compromisso de levar para o mercado inovação sustentável e garantir um roadmap de ações que guie a empresa nestes desafios.

Compartilhe:

Para mais informações, entre em contato conosco!
Este site é protegido pelo reCAPTCHA e pelas Políticas de Privacidade e Termos de Serviço do Google.