EMBALAGEM ALIA TECNOLOGIA E CONVENIÊNCIA PARA CONQUISTAR O CONSUMIDOR


EMBALAGEM ALIA TECNOLOGIA E CONVENIÊNCIA PARA CONQUISTAR O CONSUMIDOR

líderes do setor de embalagens se reuniram no Workshop Embalagens e Sustentabilidade, no dia 17 de maio, Dia Internacional da Reciclagem, e se estendeu até o dia seguinte, no auditório da CNI (Confederação Nacional da Indústria), em São Paulo. Além do público presente, o evento foi transmitido ao vivo para todo o Brasil.

“Foram dois dias de muito conteúdo sobre sustentabilidade e troca de conhecimentos e experiências. Sustentabilidade é um assunto que impacta toda cadeia de valor da indústria de embalagens e traz bons resultados para o desenvolvimento de embalagens melhores para um mundo melhor”, afirma Assunta Napolitano Camilo, diretora do Instituto de Embalagens e organizadora do evento.

Assunta ainda ressaltou a importância da simbologia ambiental, que está diretamente relacionada à reciclagem, pois é necessário usar a identificação correta de materiais que orientam o descarte e permitem a coleta seletiva. “É uma grande oportunidade de melhorar a relação embalagem e sustentabilidade e também de estabelecer um diálogo com o consumidor promovendo o consumo consciente”, comenta.

De acordo com Cláudio Marcondes, diretor do Núcleo de Materiais do Instituto de Embalagens, de 2020 para 2021, a geração per capita de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) aumentou em 10%. “100% dos resíduos de alumínio, vidro, papel e plástico são recicláveis. Hoje, somente no Brasil, 1 milhão de pessoas tiram seu sustento da reciclagem”.

O Japão produz 9.2 bilhões de toneladas de plásticos e gera 8,2 milhões de resíduos anualmente, dos quais 50% são embalagens. Como empresa de materiais poliméricos, a Toyobo estabeleceu uma abordagem para um mundo mais limpo, que engloba os 4Rs – Reduzir, Reutilizar, Reciclar e Renovar. A empresa produz um filme PET com deposição de alumínio e silício que confere alta barreira com impacto ambiental reduzido. “É fabricado pela nossa tecnologia exclusiva e possui excelentes propriedades de barreira à umidade e mantém o frescor dos produtos, substituindo a folha de alumínio. Pode ser usado em embalagens de alimentos prontos que vão ao micro-ondas”, explica Yoshiyuki Yamanaka, head de marketing da Toyobo Japão.

PLÁSTICOS

Até 2025, a Sealed Air quer ter 100% de suas embalagens recicláveis e reutilizáveis, investindo em inovação. Caio Prado, líder de sustentabilidade e assuntos regulatórios da empresa, revelou: “Estamos investindo em novas tecnologias para fazer a reciclagem química de embalagens plásticas de proteína animal”.

O gerente de sustentabilidade da Valgroup, maior fabricante de plásticos das Américas, João Henrique Alves, apresentou metas ousadas: até 2040 reciclar 100% do volume equivalente às embalagens produzidas. Em 2021, a empresa chegou a 130 toneladas de material reciclado, e a previsão é de chegar a 160. Até 2023 a Valgroup vai entregar a 1ª planta de reciclagem avançada da América do Sul.

Fabricante de bisnagas plásticas, a C-Pack tem investido em várias frentes de sustentabilidade, como o uso de PE verde, proveniente da cana-de-açúcar, resina PCR e mono materiais. “Começamos a produzir nossas bisnagas de PE verde em 2012 de forma tímida, com 1 milhão de unidades. No ano passado, ampliamos o uso, produzindo 41 milhões de bisnagas de PE verde, o que representa 27% da nossa produção”, destacou André Kehrwald, diretor de inovação e qualidade da empresa. Tais práticas levaram a empresa a atingir o valor de 2,61 de impacto à biodiversidade em uma escala de 0 a 1000.

A Indorama Ventures, líder global na produção de resinas PET, com uma capacidade de produção de 9 mil toneladas por ano, faturamento de R$ 10,6 bi e presença em 34 países, está investindo US$ 1.5 bilhão globalmente para expandir as instalações de reciclagem e a produção sustentável, incluindo o aumento de sua capacidade de reciclagem para 750 mil toneladas de garrafas PET PCR por ano até 2025. A companhia apresentou metas ambiciosas: até 2025 reduzir 10% da emissão de CO2, 5% do consumo de energia, e ampliar em 10% o consumo de energias renováveis em toda sua operação global. Uma das inovações da companhia é o Single Pellet Solution que permite adicionar entre 10% e 30% de PCR no processo de fabricação da resina virgem, que oferece as mesmas propriedades. “Ela já foi aprovada pela ANVISA e está disponível no Brasil”, revelou Raffaela Andrade, gerente de operações da Indorama Ventures.

PAPELÃO ONDULADO

Cynthia Wolgien, diretora de comunicação e sustentabilidade da WestRock, fabricante de papelão ondulado no país, trouxe o conceito “stop make waste”. São ações que a empresa tem adotado em direção à economia circular e que são guiadas por três metas: eliminar resíduos e poluição, manutenção de produtos na economia circular e a regeneração do ambiente. Para chegar a estes objetivos a WestRock adota os 3 princípios da economia circular: 1- Design da embalagem pensado para geração de zero resíduo e poluição (ecodesign). “80% do resíduo é concebido no design”, afirmou Cynthia. 2 – Manter os produtos em uso pelo maior tempo possível, ampliando a sua vida útil. 3 – Regenerar sistemas naturais, através de ações de reflorestamento, e gerar novas fontes de matéria-prima. Atualmente a empresa recicla 95 mil toneladas de papelão ondulado por ano e já utiliza fibr

as recicláveis reduzindo a produção de RSU. A cada ano, uma tonelada de papelão produzido remove mais de 600 quilos de CO2 da atmosfera, através das ações de reflorestamento. Por ano, o mundo gera mais de 100 toneladas e, no Brasil, 85% do papelão ondulado é reciclado.

ECODESIGN

Para Keyse Ramalho, gerente de desenvolvimento de novos negócios da Avery Dennison, multinacional fabricante e distribuidora de rótulos autoadesivos, o processo de desenvolvimento do produto deve tornar a interação de um material melhor que a sua versão anterior. Ela ainda comentou sobre o desafio que todas as empresas enfrentam: se desenvolver com sustentabilidade sem sacrificar a qualidade. “Isto é possível adotando o ecodesign, uma abordagem promissora para o consumo e produção sustentáveis, que já é aplicada a diversos produtos de diferentes setores da economia”, reforça.

O conceito leva em consideração toda a cadeia de consumo no desenvolvimento de embalagens. Sua adoção agrega valor ao produto, melhora a imagem das organizações, aumenta a capacidade de inovação e reduz a extração de recursos naturais. É como a tendência de embalagens em mono material, que elimina a necessidade de separar elementos do resíduo facilitando o processo de reciclagem. “É uma mudança de mindset, na qual sai a percepção de uma cadeia linear e entra a de uma economia circular, amenizando os impactos causados pela extração de recursos da natureza, obedecendo o tripé da sustentabilidade: ambiental, econômico e social, pensando em toda a cadeia”, completou Keyse. Para Simone Ruiz, consultora sênior de projetos do Instituto de Embalagens, “hoje o consumidor é mais sensível a esta tendência e em suas decisões de consumo ele leva em conta fatores como mudanças climáticas, qualidade do ar e geração de resíduos”. O ecodesign é uma ferramenta importante utilizada em todos os estágios de desenvolvimento dos produtos e processos de produção, distribuição e utilização. “Ela reduz o impacto ambiental das embalagens, permitindo a produção de embalagens mais amigas do meio ambiente, que preservam os recursos naturais e promovem a reciclagem’’, afirma Simone.

Compartilhe:

Para mais informações, entre em contato conosco!
Este site é protegido pelo reCAPTCHA e pelas Políticas de Privacidade e Termos de Serviço do Google.